GESTÃO

Conheça a Gestão do CRESS-CE

“VER CORES NAS CINZAS E A VIDA REINVENTAR”

Os tempos difíceis em que vivemos exigem poesia, alegria e a disposição de “Ver cores nas cinzas e a vida reinventar”. É assim que nos apresentamos à categoria profissional de assistentes sociais a nova gestão do Cress Ceará, triênio 2020-2023, que se propõe a dar continuidade às inúmeras conquistas e realizações da atual gestão, mas também, avançar nas fragilidades naquilo que não foi possível fazer.

A conjuntura atual se caracteriza por um período histórico complexo, com correlações de forças conturbadas, aprofundamento da crise estrutural do capital com benefícios para o setor financeiro. Temos mais desigualdades, menos emprego, menos direitos e muitas dificuldades para a “classe-que-vive-do-trabalho”. Um cenário perverso, exigindo decifrá-lo e não esmorecer jamais! O Brasil de hoje tem sido permeado por inúmeros desafios diante do obscurantismo e da “política de morte”, em todos os sentidos, empreendida pelo governo neofascista.

Assim, a vida requisita de nós coragem e ousadia, mantendo no horizonte a indignação e a “nossa voz na rua para lutar” construindo as saídas/alternativas coletivas. Não podemos perder de vista as possibilidades nas contradições e no movimento da história; para que sigamos em luta acreditando que outra sociedade é possível. Contra desesperança, apatia e a melancolia o abatimento, mobilizamos sonhos, consciência e força; para transformarmos o tédio em melodia, o desafio é “Ver cores nas cinzas e a vida reinventar”.

Buscaremos um amplo diálogo com a categoria profissional, em um processo participativo e democrático visando fortalecer os valores e princípios do nosso projeto ético-político e, ao mesmo tempo, captar e incorporar ao nosso programa de gestão, as demandas e os desafios postos ao trabalho profissional. Frente aos inúmeros ataques à classe trabalhadora refletindo em ampliação acelerada das desigualdades, menos emprego, menos direitos e muitas dificuldades para a “classe que-vive-do-trabalho”.

A retirada dos direitos trabalhistas, sociais e políticos, historicamente conquistados, e o cerceamento às liberdades democráticas, compreendemos que é imprescindível reafirmar nosso compromisso com os/as oprimidos/as e os/as precarizados/as pelas ações avassaladoras ultraneoliberais, neocoloniais e neofascistas do capitalismo – aqui no país gerenciado pelo capitão e o general e seus ministros – que busca manter suas taxas de acumulação /lucratividade a todo custo, mesmo que signifique no “tombamento” de inúmeras vidas e da sobrevivência do/no planeta. Nós assistentes sociais sentimos, material e subjetivamente, os rebatimentos destas aprofundadas medidas de superexploração e precarização das condições de vida e trabalho decorrentes dos desmontes das políticas sociais, do desemprego estrutural e das ofensivas contra o trabalho produtoras de instabilidade, “uberização e pejotização das relações de trabalho”, baixos salários, desorganização e desfiliação da classe e processos de adoecimento físico e mental, justamente, por estarmos inseridos/as na concreticidade das relações sociais de exploração, opressão e dominação que atingem ao povo e a nós na condição de trabalhadores/as.

O avanço do conservadorismo tem se refletido em ataques ao pensamento científico e crítico, fazendo avançar propostas profissionais que visam desmontar a direção social crítica ainda hegemônica no Serviço Social. que, por meio de um rearranjo teórico doutrinário, buscam um retorno ao passado com base na defesa de pressupostos profissionais confessionais, pragmáticos, tecnicistas e punitivos. Além disso, as empreitadas para desregulamentar e/ou fragilizar as legislações profissionais, os espaços político-organizativos e as entidades representativas do Serviço Social tem sido cada vez mais intensificadas.

Torna-se imprescindível, neste momento, a defesa intransigente dos direitos da classe trabalhadora e do trabalho profissional dos/das assistentes sociais, dos espaços ocupacionais no horizonte de defesa da qualidade dos serviços prestados ao povo e do projeto ético-político. Diante disso, é melhor “VER CORES NAS CINZAS E A VIDA REINVENTAR”, “IRMOS À LUTA: COM CLASSE E RAÇA EM DEFESA DO SERVIÇOS SOCIAL” em defesa dos direitos trabalhistas e sociais, das liberdades democráticas encontra todas as formas de preconceito e discriminação, tais como o machismo, lesbo/homo/transfobia, racismo, proibicionismo e fundamentalismo religioso.

O desejo do novo vem quando escutamos seus sinais e visualizamos seu percurso em formação, mas ele vem baixinho e potente dentro dos nossos corações e mentes, mobilizando dentro de nós força e coragem para mudar. Daí nossa convocação à categoria em “VER CORES NAS CINZAS E A VIDA REINVENTAR”. Vamos coletivamente, com direção crítica, unidade e diálogo construir nosso CRESS Ceará. Convidamos você, assistente social, a participar de nossas atividades e construir conosco as propostas para fortalecer as entidades representativas da nossa profissão. Vamos juntos/as com diálogo, luta.

Composição da Gestão:

Presidenta: Maria Crizeuda Freire de Castro
Vice-Presidenta: Cynthia Studart Albuquerque
1ª Secretária: Ana Samilly Alexandre Moreira
2ª Secretária: Ana Paula Silveira de Morais
Vasconcelos
1ª Tesoureira: Evânia Maria Oliveira Severiano
2ª Tesoureira: Daniele da Silva de Lima

Conselho Fiscal:
Gicélia Almeida da Silva
Liana Brito de Castro Araújo
Sheila Maria Gonçalves da Silva

Suplentes:
Duane Brasil Costa
Márcia Regina Mariano de Sousa Arão
Lúcia Elizabeth Moura Rodrigues
Pâmela Santos da Silva
Neyla Priscila de Araújo Castro
Rochelly Euzébio de Lima
Leidiana do Nascimento Pinto
Cristiane Lima de Oliveira
Maria Derleide Andrade