A+ A-

[NOTA] DANDARA PRESENTE. A VIDA DAS TRAVESTIS IMPORTA.

Image

O Brasil amarga o triste primeiro lugar no ranking de países onde se cometem mais assassinatos contra travestis e transexuais. Segundo dados do Relatório Sobre Violência Homofóbica no Brasil, da extinta Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, foi registrado um total de 3.084 denúncias de violações contra a população LGBT no ano de 2012, o que significou um aumento percentual de 166% em relação ao ano anterior (CFESS Manifesta). Segundo o mesmo relatório, no Ceará, foram registradas 143 denúncias, o que representou um aumento 126% dos casos.

Dados de um levantamento realizado pela Rede Nacional de Pessoas Trans no Brasil (Rede Trans) mostram que, nestes primeiros meses de 2017, 14 travestis foram assassinadas em nosso país. Sendo duas mortes registradas no Ceará. Além de Dandara, outro assassinato motivado por transfobia aconteceu na cidade de Russas (CE).

Mesmo diante deste quadro, setores conservadores e fundamentalistas, no nosso parlamento, têm impedido a aprovação de projetos que buscam garantir a cidadania da população LGBT. Quando não, tentam mitigar os direitos já conquistados. Exemplo disso é a tentativa de revogação do direito de adoção do nome social por travestis e transexuais, dentre outras propostas absurdas, tais como a proposta da “cura gay” que também tramita no Congresso Nacional. Em nosso Estado, durante a votação do Plano de Educação e Cultura, sofremos um forte ataque destes setores que suprimiram pautas importantes para os direitos humanos e, especialmente, para o Movimento LGBT.

O combate à violência contra a população de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais demanda a adoção de um conjunto políticas públicas, cada vez mais urgentes e necessárias. Devemos lutar, cotidianamente, pela criminalização da LGBTfobia, pela valorização e divulgação da Cultura LGBT, pela garantia de acesso à saúde, sem que qualquer pessoa seja discriminado/a, além de uma educação que promova o debate sobre a questão de gênero e sexualidade.

O Conselho Regional de Serviço Social – 3ª Região/Ceará vem a público mostrar sua indignação pelo que aconteceu à Dandara e apoio a tantas companheiras que sofreram e ainda permanecem sofrendo com a truculência de nossa sociedade. A luta é pelo reconhecimento dos direitos da população LGBT e para que não haja mais nenhuma vítima de lgbtfobia. Que sejamos todos/as Dandara.

Vamos comparecer na próxima sexta, dia 10 de março, a partir das 9h, na Praça Luiza Távora/CEART para caminharmos juntos/as até o Palácio da Abolição, em Ato Público da Sociedade Civil contra a barbárie transfóbica, exigindo políticas públicas para a população LGBT no Ceará ao Governador Camilo Santana.

Exigimos justiça! A vida das travestis importa.

Ato contra a LGBTFobia

Compartilhe